recent posts

banner image

Um domingo em Belo Horizonte

Nosso tempo para fazer turismo quando estávamos em Belo Horizonte foi bastante curto. Chegamos no Aeroporto de Confins na manhã de sábado e partimos rumo à área central da capital de Minas Gerais para almoçar. Rodamos cerca de 30 quilômetros até chegar ao shopping. Ainda na estrada, percebemos o quão diferente a região é do Sul do Brasil. Enquanto por aqui viajamos quilômetros e quilômetros com o verde sempre ao lado das rodovias - algumas bastante floridas, como a Freeway -, por lá não havia cor na vegetação.


Mas isso não nos impediu de apreciarmos o restante do caminho. Passamos pela frente da Cidade Administrativa, uma baita construção que abriga o governo estadual de Minas Gerais. Depois, o entorno da rodovia não continuou tão bonito assim... Pelo menos até acharmos o caminho para chegar à região da Pampulha. Naquele dia, como havia o Circuito Banco do Brasil, a região estava bastante movimentada. O restinho do sábado passamos no hotel - que eu já falei um pouco aqui. Perto das 17 horas partimos para o Mineirão conferir os shows. Hora de turistar! Apenas o domingo foi reservado para turistar. Saímos cedo do hotel e pegamos o carro em direção à Lagoa da Pampulha. Estava cheio de gente por ali. Muitos utilizavam o espaço para correr e praticar exercícios físicos, outros estavam aproveitaram apenas para passear com a família. Os turistas como eu, batiam fotos e faziam selfies de todos os ângulos.



A Lagoa da Pampulha é ótima para passar uma manhã - ou até menos. Tem até um parque de diversões na redondeza! Por ali há um complexo arquitetônico, e entre as intervenções que eu mais gostei está a Igreja de São Francisco, que foi desenvolvida sob a perspectiva do prefeito da época, Juscelino Kubitschek. Foi Oscar Niemeyer o responsável pela arquitetura e Cândido Portinari foi quem deu vida às pinturas dos azulejos. Não tem como negar que a igreja é um charme e atrai todo o tipo de turista. Ao sair da igreja, basta olha para frente e se deparar com o Mineirinho e o Mineirão refletindo na água . Ao deixar a região da Pampulha, fomos direto ao Centro Histórico da cidade. Passamos pela biblioteca pública, onde há estátuas dos escritores Otto Lara Resende, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Hélio Pellegrino. Ao atravessar a rua estávamos na Praça da Liberdade, um dos pontos mais charmosos que conheci na cidade.



Assim que pisamos na praça, parecia que voltamos anos e anos no tempo, já que é rodeada de diversos prédios antigos, que hoje abrigam museus, e rodeado de palmeiras reais. Conheci o Circuito Cultural do Banco do Brasil. O local que abrigava a secretaria de segurança pública de Minas Gerais agora é cheio de obras de arte, sendo uma delas e Picasso. Para encerrar o passeio e pegar o caminho de volta ao aeroporto, passamos pelo BH Shopping. Ali comemos, descansamos, vimos um filme e compramos!
Um domingo em Belo Horizonte Um domingo em Belo Horizonte Reviewed by Angelica Brunatto on 10:43 Rating: 5

Nenhum comentário:

top navigation

Tecnologia do Blogger.